“Well-run libraries are filled with people because what a good library offers cannot be easily found elsewhere: an indoor public space in which you do not have to buy anything in order to stay.” Zadie Smith

sábado, 30 de junho de 2012

FKB.ME = FREE KINDLE BOOKS


OS LIVROS CRISTALIZADOS DE ALEXIS ARNOLD







Com este conjunto de 'livros cristalizados' (aqui estão apenas alguns), Alexis Arnold, um jovem artista americano, faz um elogio do livro em papel face ao seu anunciado desaparecimento. Como ele próprio explica, é uma espécie de exercício nostálgico como se estes 'livros petrificados' tivessem sido descobertos séculos após o seu desaparecimento, como se fossem fósseis...

OS LIVROS DÃO-NOS UMA BOA POSTURA

[via thomerama]

LETRA A

\









APRENDER OUTRA(S) LÍNGUA(S) COM DUOLINGO


A ideia de criar o Duolingo partiu de Luis von Ahn, um investigador de origem guatemalteca que se encontra a trabalhar na Universidade de Carnegie Mellon e ao qual se juntou Severin Hacker.
A dupla decidiu pensar num sistema que pudesse contar com a participação dos internautas e conseguisse superar as limitações das traduções automáticas que hoje são disponibilizadas por ferramentas como o Google Translate. A solução passou pelo recurso às multidões de internautas que hoje navegam de site em site – e que até podem nem ser propriamente tradutores experientes.
Para captar o maior número de voluntários possível, o site Duolingo promete aulas em línguas estrangeiras. Os internautas que enveredem por estes “cursos on-line” são confrontados com exercícios de repetição de frases , e também traduções e uso de expressões em vários contextos, a título de exercício de aprendizagem.



Ler +

sexta-feira, 29 de junho de 2012

UM PIANO, UM CARRO E UM FRIGORÍFICO COMO...ESTANTES DE LIVROS!






QUER FAZER UM BIBLIOMÓVEL?

fazer o download aqui deste modelo de bibliomóvel

"HÁBITO DE LER ESTÁ ALÉM DOS LIVROS"



Um dos maiores especialistas em leitura do mundo, o francês Roger Chartier destaca que o hábito de ler está muito além dos livros impressos e defende que os governos têm papel importante na promoção de uma sociedade mais leitora.
O historiador esteve no Brasil para participar do 2º Colóquio Internacional de Estudos Linguísticos e Literários, realizado pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Em entrevista à Agência Brasil, o professor e historiador avaliou que os meios digitais ampliam as possibilidades de leitura, mas ressaltou que parte da sociedade ainda está excluída dessa realidade. “O analfabetismo pode ser o radical, o funcional ou o digital”, disse.

Agência Brasil: Uma pesquisa divulgada recentemente indicou que o brasileiro lê em média quatro livros por ano (a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, divulgada pelo Instituto Pró-Livro em abril). Podemos considerar essa quantidade grande ou pequena em relação a outros países?

Roger Chartier: Em primeiro lugar, me parece que o ato de ler não se trata necessariamente de ler livros. Essas pesquisas que peguntam às pessoas se elas leem livros estão sempre ignorando que a leitura é muito mais do que ler livros. Basta ver em todos os comportamentos da sociedade que a leitura é uma prática fundamental e disseminada. Isso inclui a leitura dos livros, mas muita gente diz que não lê livros e de fato está lendo objetos impressos que poderiam ser considerados [jornais, revistas, revistas em quadrinhos, entre outras publicações]. Não devemos ser pessimistas, o que se deve pensar é que a prática da leitura é mais frequente, importante e necessária do que poderia indicar uma pesquisa sobre o número de livros lidos.

ABr: Hoje a leitura está em diferentes plataformas?

Chartier: Absolutamente, quando há a entrada no mundo digital abre-se uma possibilidade de leitura mais importante que antes. Não posso comparar imediatamente, mas nos últimos anos houve um recuo do número de livros lidos, mas não necessariamente porque as pessoas estão lendo pouco. É mais uma transformação das práticas culturais. É gente que tinha o costume de comprar e ler muitos livros e agora talvez gaste o mesmo dinheiro com outras formas de diversão.

ABr: A mesma pesquisa que trouxe a média de livro lidos pelos brasileiros aponta que a população prefere outras atividade à leitura, como ver televisão ou acessar a internet.
Chartier: Isso não seria próprio do brasileiro. Penso que em qualquer sociedade do mundo [a pesquisa] teria o mesmo resultado. Talvez com porcentagens diferentes. Uma pesquisa francesa do Ministério da Cultura mostrou que houve uma redistribuição dos gastos culturais para o teatro, o turismo, a viagem e o próprio meio digital.

ABr: Na sua avaliação, essa evolução tecnológica da leitura do impresso para os meios digitais tem o papel de ampliar ou reduzir o número de leitores?

Chartier: Representa uma possibilidade de leitura mais forte do que antes. Quantas vezes nós somos obrigados a preencher formulários para comprar algo, ler e-mails. Tudo isso está num mundo digital que é construído pela leitura e a escrita. Mas também há fronteiras, não se pode pensar que cada um tem um acesso imediato [ao meio digital]. É totalmente um mundo que impõe mais leitura e escrita. Por outro lado, é um mundo onde a leitura tradicional dos textos que são considerados livros, de ver uma obra que tem uma coerência, uma singularidade, aqui [nos meios digitais] se confronta com uma prática de leitura que é mais descontínua. A percepção da obra intelectual ou estética no mundo digital é um processo muito mais complicado porque há fragmentos e trechos de textos aparecendo na tela.

ABr: Na sua opinião, a responsabilidade de promover o hábito da leitura em uma sociedade é da escola?

Chartier: Os sociólogos mostram que, evidentemente, a escola pode corrigir desigualdades que nascem na sociedade mesmo [para o acesso à leitura]. Mas ao mesmo tempo a escola reflete as desigualdades de uma sociedade. Então me parece que, também, é um desafio fundamental que as crianças possam ter incorporados instrumentos de relação com a cultura escrita e que essa desigualdade social deveria ser considerada e corrigida pela escola que normalmente pode dar aos que estão desprovidos os instrumento de conhecimento ou de compreensão da cultura escrita. É uma relação complexa entre a escola e o mundo social. E é claro que a escola não pode fazer tudo.

ABr: Esse é um papel também dos governos?

Chartier: Os governos têm um papel múltiplo. Ele pode ajudar por meio de campanhas de incentivo à leitura, de recursos às famílias mais desprovidas de capital cultural e pode ajudar pela atenção ao sistema escolar. São três maneira de interação que me parecem fundamentais.

ABr: No Brasil ainda temos quase 14 milhões de analfabetos e boa parte da população tem pouco domínio da leitura e escrita – são as pessoas consideradas analfabetas funcionais. Isso não é um entrave ao estímulo da leitura?

Chartier: É preciso diferenciar o analfabetismo radical, que é quando a pessoa está realmente fora da possibilidade de ler e escrever da outra forma que seria uma dificuldade para uma leitura. Há ainda uma outra forma de analfabetismo que seria da historialidade no mundo digital, uma nova fronteira entre os que estão dentro desse mundo e outros que, por razões econômicas e culturais, ficam de fora. O conceito de analfabetismo pode ser o radical, o funcional ou o digital. Cada um precisa de uma forma de aculturação, de pedagogia e didática diferente, mas os três também são tarefas importantes não só para os governos, mas para a sociedade inteira.

ABr: Na sua avaliação, a exclusão dos meios digitais poderia ser considerada uma nova forma de analfabetismo?

Chartier: Me parece que isso é importante e há uma ilusão que vem de quem escreve sobre o mundo digital, porque já está nele e pensa que a sociedade inteira está digitalizada, mas não é o caso. Evidente há muitos obstáculos e fronteiras para entrar nesse mundo. Começando pela própria compra dos instrumentos e terminando com a capacidade de fazer um bom uso dessas novas técnicas. Essa é uma outra tarefa dada à escola de permitir a aprendizagem dessa nova técnica, mas não somente de aprender a ler e escrever, mas como fazer isso na tela do computador.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

A 1ª BIBLIOTECA DO BERNARDO


Hoje, na reunião SABE da Maia, surpreendemos o António, que foi papá muito recentemente, com uma oferta muito especial para o filho Bernardo: a sua 1ª biblioteca!! Ele ficou assim...

FRANÇA CONDECORA A ESCRITORA DULCE MARIA CARDOSO

foto: Enric Vives-Rubio

 A edição dos livros “Campo de Sangue” (2002), “Os Meus Sentimentos” (2005) e “Até Nós” (2008), já traduzidos em França e noutras línguas, valeu à escritora Dulce Maria Cardoso (n. 1964) a condecoração francesa de Cavaleira da Ordem das Artes e Letras.
O Ministério da Cultura francês justifica a distinção — a entregar em Lisboa, em data ainda a designar — pelo papel que a obra da escritora tem na “irradiação da cultura em França e no mundo”.
Criada em 1957, a condecoração da Ordem das Artes e das Letras corresponde a uma das mais altas distinções honoríficas da República Francesa e homenageia personalidades que se destacaram pela sua contribuição na difusão da cultura em França.
Ler +

NEXUS 7 O NOVO TABLET DA GOOGLE


...que parece ser um desafio sério ao IPad e com um preço anunciado muito apetecível!

EVOLUÇÃO DOS E-READERS




Source: Original infographic from WinePress of Words

AS BIBLIOTECAS ESTÃO A RECONFIGURAR-SE

"MILK AND BOOKIES" UMA FABULOSA CAMPANHA PARA A PROMOÇÃO DA LEITURA

quarta-feira, 27 de junho de 2012

"FOREVER YOUNG" DE BOB DYLAN EM VERSÃO ANIMADA



 Bob Dylan gravou "Forever Young" pela 1ª vez em 1974. Desde então, inúmero músicos a cantaram. Em 2008, Bob Dylan fez com Paul Rogers uma versão ilustrada em livro e e-book para os mais pequenos. O texto é a letra da música:
May you grow up to be righteous
May you grow up to be true
May you always know the truth
And see the lights surrounding you
May you always be courageous
Stand upright and be strong
May you stay forever young
Forever young, forever young
May you stay forever young

MODA (20)









A BIBLIOTECA VERDE DE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE


Carlos Drummond de Andrade, aos 10 anos teve a sorte de ganhar do pai uma BIBLIOTECA VERDE.

              BIBLIOTECA VERDE
– Papai, me compra a Biblioteca Internacional de Obras Célebres.
São só 24 volumes encadernados em percalina verde.
– Meu filho, é livro demais para uma criança!...
– Compra assim mesmo, pai, eu cresço logo.
– Quando crescer, eu compro. Agora não.
– Papai, me compra agora. É em percalina verde,
só 24 volumes. Compra, compra, compra!...
– Fica quieto, menino, eu vou comprar.
– Rio de Janeiro? Aqui é o Coronel.
Me mande urgente sua Biblioteca
bem acondicionada, não quero defeito.
Se vier com um arranhão, recuso. Já sabe:
Quero a devolução de meu dinheiro.
– Está bem, Coronel, ordens são ordens.

  
Segue a Biblioteca pelo trem-de-ferro,
fino caixote de alumínio e pinho.
Termina o ramal, o burro de carga
vai levando tamanho universo.
Chega cheirando a papel novo, mata
de pinheiros toda verde.
Sou o mais rico menino destas redondezas.
(Orgulho, não; inveja de mim mesmo)
Ninguém mais aqui possui a coleção das Obras Célebres.
Tenho de ler tudo. Antes de ler,
que bom passar a mão no som da percalina,
esse cristal de fluida transparência: verde, verde...
Amanhã começo a ler. Agora não.
Agora quero ver figuras. Todas.
Templo de Tebas, Osíris, Medusa, Apolo nu, Vênus nua...

Nossa Senhora, tem disso nos livros?!...
Depressa, as letras. Careço ler tudo.
A mãe se queixa: Não dorme este menino.
O irmão reclama: Apaga a luz, cretino!
Espermacete cai na cama, queima a perna, o sono.
Olha que eu tomo e rasgo essa Biblioteca
antes que pegue fogo na casa.
Vai dormir, menino, antes que eu perca a paciência e te dê uma sova.
Dorme, filhinho meu, tão doido, tão fraquinho.
Mas leio, leio... Em filosofias tropeço e caio,
cavalgo de novo meu verde livro,
em cavalarias me perco, medievo;
em contos, poemas me vejo viver.
Como te devoro, verde pastagem!...
Ou antes carruagem de fugir de mim
e me trazer de volta à casa
a qualquer hora num fechar de páginas?
Tudo que sei é ela que me ensina.
O que saberei, o que não saberei nunca,
está na Biblioteca em verde murmúrio
de flauta-percalina eternamente.

                               (Carlos Drummond de Andrade)


COMO OS ADOLESCENTES ENCARAM AS SUAS VIDAS DIGITAIS



terça-feira, 26 de junho de 2012

AS BIBLIOTECAS NO METRO DE S. PAULO (BRASIL)







A linha de metro de S. Paulo é gigantesca e (curiosidade!) oferece aos seus utentes a possibilidade de lerem através de pequenas bibliotecas e máquinas de livros (numa promoção, uma delas até propõe que o utente pague o que quiser!). Este programa de leitura chama-se "Embarque na Leitura" e integra o projeto "Ler é saber" do Instituto Brasil Leitor.




BIBLIOMOTO

encontrada aqui
Esta Bibliomoto percorre lugarejos no Peru.

LETRA PRIMEIRA






THE EUROPEAN LIBRARY


Vale a pena entrar na The European Library e explorá-la.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

SOCIAL MEDIA DAY 2012 EM GAIA


MÁRIO CLÁUDIO NO PORTO DE ENCONTRO


No próximo dia 30 de junho, às 17h no Palacete dos Viscondes de Balsemão.

THE READING DEVICE: A SHORT HISTORY

NO MUNDO DOS EBOOKS EM PORTUGUÊS


Brian Snyder/Reuters

Vale a pena ler todo este artigo de Isabel Coutinho do qual só apresentamos um excerto:

Os apreciadores de bibliotecas digitais e de ebooks já podem ler em português. Também cá, as novidades editoriais deixaram de ser produzidas apenas para o papel: os livros começam agora a chegar ao mesmo tempo às livrarias e às lojas online, onde os consumidores podem adquiri-los em versão digital, mais barata. O Teu Rosto Será o Último, de João Ricardo Pedro (Dom Quixote), é um bom exemplo: o romance está à venda, na sua versão impressa, nas livrarias portuguesas, e está também disponível, mais barato, em formato digital através da livraria Leyaonline (a antiga Mediabooks), das aplicações da Leya (para iPad, iPhone, iPod Touch e Android), da livraria online norte-americana Barnes & Noble e ainda da loja da Apple, a iBooks. Em breve, este e outros livros da Leya vão estar à venda na Google ebooks e na Amazon para compradores da Europa.

Há um ano, esta diversidade não acontecia. Mas agora o grupo Leya está a converter parte do seu catálogo para o formato digital e a integrar as novidades. "Temos visto esta aposta sempre do ponto de vista da visibilidade que podemos dar aos nossos autores, nomeadamente além fronteiras, mas o que é certo é que o número de downloads já começa a ser significativo", afirma o director de marketing de edições gerais deste grupo editorial, Pedro Sobral. "2011 terminou com um número de downloads bastante acima do previsto quer na Leyaonline, quer no site que se dirige essencialmente a quem tem sistemas Android. Na iBooks, da Apple, temos livros à venda desde Novembro. Começaram agora a aparecer nos tops. No ano passado estivemos mais concentrados a resolver as questões operacionais (carregamento de ebooks, metabases, etc) e só em Janeiro começamos a trabalhar na visibilidade dos livros".

Ler +

domingo, 24 de junho de 2012

Related Posts with Thumbnails